Arquivo para marcas

AIG, AIU ou AIAIAI

Posted in Marketing with tags , , , , , , , , on 18 de junho de 2009 by Andrew Pieries

Outro dia estava falando sobre marcas que renovam suas identidades visuais.  Essas mudanças servem para refletir os novos posicionamentos das empresas. Podem contemplar as novas aspirações da empresa, ou simplesmente uma adequação aos novos tempos, em forma de design. Trata-se da marca figurativa.

Estamos acostumados a ver uma mudança que vai do bom ou médio em direção ao ótimo. O que acontece quando se sai do péssimo para a camuflagem? Veja o caso da AIG, alterou a marca nominativa. Seu nome não podia estar mais em baixa. Agora, suas operações estão funcionando sob a sigla AIU!

Os problemas financeiros não são poucos,  precisar de US$180 bilhões do governo é uma encrenca e tanto. Tentar convencer seus executivos a devolver US$165 milhões de bônus distribuídos, também não é nada fácil. Agora para tentar convencer os clientes e prospects a fazer negócios nesse cenário, com a imagem de vilão da crise, haja relações públicas.

Um ponto que é de fundamental importância nessa história, tem sido alvo de constantes debates -a mensagem.  O público acredita que os bancos são os grandes culpados pela crise e gostariam de ouvir um pedido de desculpas. O mea culpa seria um ingrediente indispensável para o processo de cicatrização do relacionamento entre bancos e opinião pública. Do lado dos bancos a estratégia de comunicação têm procurado falar de futuro. Queremdeixar para trás o ocorrido e  se mostrar como os agentes que podem ajudar a todos a melhorar a dura atualidade.

Quando parece que não dá para piorar mais, descobrimos que dá. Qualquer gasto com propaganda dos bancos é extremamente mal vista pela opinião pública. Tentar se reposicionar assim, não vai ser nada fácil.

Anúncios

O ranking das marcas – Nacional

Posted in Marketing with tags , , , , , , , , , , , , , on 15 de maio de 2009 by Andrew Pieries

O relatório Brand Z, produzido pela Millward Brown, contém também alguns relatórios regionais. Um dos relatórios regionais foi o das marcas do Brasil. Aliás, o Bradesco foi a primeira marca nacional a entrar no ranking mundial top 100, em 98 lugar.

Existe uma evidente concentração de marcas de bancos. Entre os 10 primeiros lugares temos 4 Bancos. Representantes de cosméticos, energia e alimentos. O ponto alto, 3 marcas de cervejas para mostrar que ainda somos humanos.

Veja o ranking nacional completo, com 40 marcas:

1 Bradesco
2 Itaú
3 Banco do Brasil
4 Skol
5 Natura
6 Petrobras
7 Brahma
8 Antarctica
9 Unibanco
10 Perdigão
11 Vivo
12 Oi
13 Porto Seguro
14 BM&FBovespa
15 Vale
16 TAM
17 Sadia
18 Embratel
19 NET
20 Lojas Americanas
21 Embraer
22 Ipiranga
23 Gol
24 Cyrela
25 Extra
26 Havaianas
27 Pão de Açúcar
28 Amil
29 Lojas Renner
30 Gerdau
31 Bombril
32 Weg
33 Ultragaz
34 Localiza
35 Batavo
36 Sul América
37 Anhaguera Educacional
38 Shopping Iguatemi
39 Gafisa
40 Usiminas

Revitalização de marcas

Posted in Marketing with tags , , , , , , , , , , , , on 11 de maio de 2009 by Andrew Pieries

A Function, empresa de webdesign, colocou em seu blog sua lista das 50 melhores revitalizações de logomarcas. Muitos exemplos de como a as marcas se adaptaram ao longo do tempo, seja para refletir melhor seu posicionamento de mercado, ou simplesmente para atualizarem-se. Têm várias coisas muito legais. Aqui eu apresento as 10 top.

01. AT&T Inc.

This is an ideal example of how a subtle upgrade can make a huge difference.

AT&T

02. BP Garage

A completely different direction and modern feel. A huge improvement!

BP Garage

03. Sprint

Looking at the old sprint logo it’s obvious a re-design was needed.

Sprint

04.  Mindshare

A great find via Brand New. Great use of colours & typography.
Mindshare

05. Mustang 2010

The current 2009 Logo, compared to 2010. Subtle improvements, but wow so much more aggression! Source: AutoBlog.
Mustang

06. Adobe Photoshop CS4

Adobe has come a long way in a short time, I like the way things are going.
Photoshop

07. Discovery Channel

Probably one of my favourites. Really love the placement of elements.
Discovery

08. Fanta

The old can really does look dated compared to the new look.
Fanta

09. Johnsons Baby

Not one of the obvious choices, but I love the softer approach.
Johnsons

10. Fiat Bravo

Yeah that’s right, a car made it into the list. A great example of a successful redesign, and Fiat’s recent sales figures prove it. Plus I drive this car, so a very biased choice!
Fiat

Dica da Débora Almeida no To The Top

viaFunction Web Design & Development [ Blog ] » 50 Stunning Examples of a great redesign: My Top Picks.

O Brasil e o lançamento de produtos no mundo.

Posted in Marketing with tags , , , , on 17 de fevereiro de 2009 by Andrew Pieries

O Laboratório de Monitoramento Global de Embalagem da ESPM realizou um estudo sobre o número de lançamentos de novos produtos no mundo. Os dados vieram do Global New Product Database do instituto de pesquisa americano Mintel, que cataloga cerca de 80% dos lançamentos em supermercados de todo o mundo.

Um dos resultados apresentados suporta a teoria que o Brasil em alguns aspectos foi menos afetado que o resto da economia mundial em função da crise. No último trimestre de 2008, o Brasil passou da sexta posição para a segunda, no ranking de produtos lançados. Ficou atrás apenas dos Estados Unidos.

Em 2009, a redução de lançamentos no mundo foi grande,  foram lançados 18.338 produtos em janeiro, contra 22.484 no mesmo período do ano passado, representando uma queda de 18,5%.

Para ler mais veja o artigo completo em Mundo do Marketing, por Guilherme Neto.

Azul para sustentabilidade estratégica

Posted in Marketing with tags , , , on 6 de fevereiro de 2009 by Andrew Pieries

Todos já estão cansados de escutar falar em ações de sustentabilidade que não passam de conversa fiada.

Um diretor de criação, chamado Bob Isherwood, cunhou a frase “Blue innovation instead of Green”, em uma apresentação para a última conferência da Sustainable Brands International.

Ações pontuais tentando conectar marcas à grife “verde” não se sustentam mais. Projetos isolados não são suficientes para mudar a percepção de uma atitude corporativa. Isso significa que o conceito de sustentabilidade deve ser abandonado pelas corporações? Muito pelo contrário!

O conceito de blue innovation prega que as empresas devem encarar essa situação para fazerem mudanças realmente transformadoras, incorporando-as em seu planejamento estratégico. Abandonar o aspecto cosmético e mergulhar de cabeça na mudança, aliando a emoção que permeia o assunto à razão.

Leia mais sobre o assunto em Blue is the New Green: Blue Thinking, the Gen 2 Sustainability Strategy da Tamara Giltsoff. Com certeza um dos melhores artigos que li esse ano.

Planejando investimento em marcas

Posted in Marketing with tags , on 1 de fevereiro de 2009 by Andrew Pieries

Quando a crise bate, ao invés de tentar medir o tamanho do impacto, se é marola ou tsunami, as empresas devem se preocupar mais em como otimizar os investimentos em comunicação. O planejamento é de longe a melhor forma de se proteger e contra-atacar o lado negro da força.

O Márcio Borges, colega em planejamento de comunicação, postou um slideshare no seu blog, que reembedo aqui. Trata dos conceitos de BDI e CDI que envolvem a avaliação do crescimento da marca na categoria e da categoria na população geral. São 2 indicadores fundamentais para análise de investimentos em comunicação.

Percepções das marcas

Posted in Marketing with tags , , , on 18 de janeiro de 2009 by Andrew Pieries

O Brand Tag é um projeto de Noah Brier e uma das primeiras coisas que faz, ao ser acessado, é dizer que a marca está na cabeça das pessoas. A idéia é tão simples, e por isso mesmo brilhante, que faz qualquer um entendê-la e começar a brincar intuitivamente. Para quem não conhece, a brincadeira – modo de batalha – consisite em escolher uma das 2 marcas apresentadas na tela. Ao fazer isso, uma ganha e a outra perde. Não falei que era simples? 

Tão interessante quanto o match, é a resposta fornecida. Essa marca que você escolheu ganha X% das vezes e a que perdeu, perde Y% das vezes. Veja o ranking .

Ao se logar ao site, você pode escrever, quando uma marca é mostrada, a primeira palavra que vem à sua mente. Isso vai gerando um repositório de informações que, apesar de anônimas, são expontâneas. Trata-se de um clássico caso de crowdsourcing, colaborção coletiva que substitui o trabalho de um funcionário ou fornecedor. As informações são apresentadas no formato tag cloud.

Existe uma versão brasileira endossada pelo criador.