Archive for the Economia Category

Tsunamis e a economia

Posted in Economia with tags , , , , on 19 de junho de 2009 by Andrew Pieries

Passado quase um ano do estouro da crise internacional, algumas análises menos emotivas começam a surgir. Nada contra a parcialidade, mas a visão do meio do caos é sempre menos apurada. Além disso, por mais que digam o contrário, grande parte dos jornalistas econômicos não previu a chegada da crise.

Recentemente, um ensaio foi publicado pela Mckinsey Quarterly, escrito por Michele Zanini, chamado ‘Power curves’: What natural and economic disasters have in common. Compara a incidência e intensidade de desastres naturais e crises econômicas.

Ele aplica o princípio de Paretto, hoje bem conhecido pela Cauda Longa do Chris Anderson, a inusitadas comparações. Vale a pena ver os gráficos. Um deles compara as crises bancárias aos terremotos na Califórnia.

As conclusões do autor que devem ser guardadas com carinho são as seguintes:
– Faça do sistema a própria unidade de análise, ou seja, avalie o risco sistêmico.
– Não assuma que a situação está estável e faça análises com uma abrangência de longo prazo para estudar padrões.
– Crie modelos de negócios flexíveis.
– Aprenda com cientistas que estudam outros sistemas complexos.

Pelo visto, terremotos, incêndios e tsunamis não são objetos de metáforas à toa.

Anúncios

Essas fizeram água.

Posted in Economia with tags , , on 18 de junho de 2009 by Andrew Pieries

trans0609largestbankruptciesAlgumas informações, por mais que a gente tente abstrair, só vendo de forma gráfica para conseguir comparar. Veja esse gráfico em tamanho real na aqui, na Good Magazine.

Lehman Brothers, General Motors, Enron,…, estão todos lá. Para se ter uma idéia, a GM é o barco rosa, apenas médio, da direita.

Faça a sua parte -A Hora do Planeta

Posted in Economia with tags , , , on 28 de março de 2009 by Andrew Pieries

Apague as luzes por uma hora, entre 20:30 e 21:30 de hoje, e mostre que você acredita que podemos mudar o planeta.

Cadbury’s e o fairtrade

Posted in Economia, Marketing, Vendas with tags , , , , on 9 de março de 2009 by Andrew Pieries

Fairtrade certificate? O que será que compreende isso? 

No caso da Cadbury’s Daily Milk significou dar condições mais justas de comercialização para seus fornecedores de cacau em Gana. Esse país africano, tem no cacau um dos seus principais produtos de exportação. O acordo com os produtores prevê o pagamaneto de um preço mínimo pela commodity, garantindo assim sua segurança frente as intempéries do mercado. 

A empresa planeja investir 45 milhões de libras nos próximos 10 anos, garantindo a sustentabilidade ecosocial da produção de cacau em Gana, India, Indonésia e Caribe.Veja o programa, extraído dos site brasileiro da Cadbury’s.

“Oprojeto tem as seguintes metas: aumentar a renda dos produtores de cacau, auxiliando na melhoria da qualidade dos grãos, e no aumento dos ganhos; introduzir novas fontes de renda, com a viabilização de pequenos empréstimos e o incentivo à cultura de outros produtos; investir no desenvolvimento da comunidade, por meio do auxílio à melhoria da educação, à implementação de projetos de biodiversidade e à construção de reservatórios de água potável e, finalmente, trabalhar em parceria, desenvolvendo um modelo pioneiro desde as suas fundações. Fazendeiros, governo, ONGs e agências internacionais vão trabalhar juntas para decidir como o fundo [disponível para o projeto] será investido, e para envolver organizações locais.”

As vendas de produtos com a chancela de fair trade não sofreram impacto nas vendas durante a crise, pelo contrário, vê aumentando, ao menos no Reino Unido. Isso é o que afirma a Fairtrade Foundation em matéria da BBC sobre o assunto. Leia mais.

Isso é especialmente relevante quando se avalia a cadeia de suprimentos como um todo. Se as vendas crescem, iniciativas como essa podem ser adotadas mais frequentemente como uma estratégia de negócios e não uma caridade. Além do mais produtores de cacau estão deixando as fazendas e migrando para as cidades, pondo em risco a longo prazo o fornecimento de matéria prima.

Consumo engajado

Posted in Economia with tags , , , , , on 26 de fevereiro de 2009 by Andrew Pieries

Deixou de ser uma moda e já é um movimento social e econômico.

Virgance é uma start up de San Francisco, fundada por Brent Schulkin e Steve Newcomb. O primeiro se auto denomina um “road warrior turned activist” e o segundo “serial entrepreneur”. O nome da empresa vem de Star Wars – Episódio 1 e significa o nascimento de uma poderosa força da natureza que pode ser usada para o bem ou para o mal. Aparentemente, e para o bem de todos, eles não optaram pelo lado negro da força.

Uma de suas campanhas, 1 BOG, abreviação de “one block off the grid”, mobiliza propritários de residências para que adotem a energia solar um pedaço de cada vez. Eles se organizam em clubes de compras e procuram convecer seus vizinhos a seguir o mesmo caminho.

Outro de seus movimentos é o Mobcarrot. grupos de ativistas que compram de lojas que competem entre si para definir qual é a mais verde entre elas.

Como podem ver, não tem nada a ver com abraçar árvore, cantar kumbaya e culpar o capitalismo. Trata-se de um consumo consciente, engagado, mudando comportamentos de compra e por consequência os mercados. A empresa se define já na primeria frase como for-profit.

“Virgance is a for-profit company that takes new activism ideas and uses the power of online social networks to scale each idea into a large-scale, citizen-powered global campaign to improve the world.”

Para ler mais sobre o assunto visite o site, ou leia a matéria For-profit activism no The Economist de 29 de janeiro de 2009.

 

EUA em 6 palavras

Posted in Economia on 26 de fevereiro de 2009 by Andrew Pieries

O Freakonomics finalmente publicou o resultado da six-word motto, campanha para definir a atual situação americana em 6 palavras. Vi o campeão no blog Calor ou  Movimento? do Edu Longo, que aborda entre outras coisas educação financeira. 

Veja os finalistas. Meu predileto foi o sexto lugar. E o seu?

1. Consumption’s the Cure That Ails Us. (Submitted by Quin.)
2. We Will Get It Right, Eventually. (Herb)
3. We Are Too Big to Fail. (Jonathan)
4. The Streets Are Paved With CASH4GOLD.COM. (James)
5. Learn to Live Within Your Means. (Greg)
6. Wow, Can You Believe This Place? (Ms. FortuneRead more…

Quer uma empresa realmente verde? Use plantas!

Posted in Economia with tags , , on 13 de fevereiro de 2009 by Andrew Pieries

O indiano Kamal Meattle largou a pirotecnia e foi direto ao assunto. Encheu o escritório de plantas. Colocou 1.200 plantas em um prédio de 15.240 metros quadrados e 300 funcionários.

Comparado com outros prédios, a irritação nos olhos caiu em 52%, dores de cabeça 24% e asma 9%. O consumo de energia caiu em 15%.

O estudo foi publicado pelo Governo da Índia e apresentado no último TED 2009.

Veja a matéria completa How to Grow Your Own Fresh Air .

Veja as plantas que você precisa pedir ao seu chefe.